Exhibition views
1 de 8
Text

25/11 2017 – 30/01 2018


Pronto para participar da migração, o meu correio pode ter se perdido do servidor para o coro floral em um filtro de spam tendo em conta a condução infinitesimal das árvores no processo para que você não pense que eu sou inteiramente um tipo de eremita medieval com metabolismo vegetal marcado como não lido em uma jornada épica quase sentimental de me enviar os últimos dois anos de cerca de 30k de e-mails cheios de resolver a frente do outro lado do túnel 39 e-mails não lidos agora, algo me dá um prazer da variedade mais convencional e possivelmente de cor cáqui e o tempo me fez reavaliar minha posição e permanecer firmemente por uma perspectiva arbórea sobre a comunicação lenta e intuitiva para evitar a destruição nas patas dos insetos e, basicamente, no termo certo meu tempo de resposta para encontrar sucesso em floração em segundo lugar apenas com os cabos transatlânticos ou talvez mais parecido com algo como 5 centímetros por minuto, a velocidade dos pulsos elétricos nas árvores é minha própria, como resultado de alguma forma consistente fora do radar Em algum momento, no futuro próximo, um jardim ou outro caminho espinhoso tem lido e não lê algo que São Paulo sentiu que provavelmente a superposição de seu impulso na minha direção conseguiu se ramificar em apenas um pensamento.

Fragmentos das trocas de e-mail entre Matthew Wood e Nina Canell, 19 de Janeiro à 18 de Setembro de 2017


Mendes Wood DM tem prazer de apresentar a primeira exposição de Nina Canell em São Paulo. 
A energia em suas muitas formas sempre foi uma preocupação integral da obra de Canell, entendendo o material como uma parte inseparável das reações do ambiente. Favorecendo a atuação desses materiais e sua flexibilidade, o processo basilar das instalações da artista aborda a escultura como uma condição aberta a possibilidades. Para a sua exposição na Sala Norte e jardim da galeria, Canell reune trabalhos feitos a partir de segmentos curtos de cabos de comunicação subterrânea, submarina e de alta tensão. A estrutura de proteção feita em polietileno e as entranhas simétricas desses cabos de longa distância deixam claro que uma corrente ou sinal não é enviado sem resistência, mas registram a distancia transpassada e ricocheteada por essas informações. Compressão, desintegração e distorção são adotados como traços materiais que manifestam possibilidades intermediárias - sejam elas abstratas ou históricas, econômicas ou emocionais - essas peças de infra-estrutura cortadas expõem a engenharia de transferência e troca.

De forma parecida no que diz respeito a disolução de uma geografia, embora mais natural na Sala Norte, o trabalho de Canell com goma de mascar crua se transforma e absorve o ambiente próximo com lenta eficácia. Operando em uma escala de tempo sem pressa, a goma responde a fricção, temperatura e umidade do material enquanto se espalha através de uma superfície, seguindo lentamente uma trajetória viscosa que transforma a escultura ao longo de meses.
Próximo à instalação de goma, pequenos parafusos interligados por um polo magnético instalado na parede criam um gesto no ar. Encontrado e visivelmente marcado por repercussões anteriores, eles rastreiam uma relação improvisada que é precariamente diluída nesse pêndulo, mantidos no lugar pela atração metálica. Articulando a distância pela qual estamos separados e conectados, as estruturas de Canell existem como intermediários, nas quais a sensação não-verbal e o processo material encontram maneiras de se corresponder. 

Nina Canell (1979, Växjö, Suécia) vive e trabalha em Berlim. Realizou exposições individuais no The Artist’s Institute, Nova York (2017); Museo Tamayo, México (2017); Arko Art Center, Seoul (2015); Moderna Museet, Estocolmo (2015); Camden Arts Centre, Londres (2014); Hamburger Bahnhof, Berlim (2013).
Suas participações em exposições coletivem incluem: Bienais de Veneza, Sydney, Lyon, e Liverpool; Teve trabalhos apresentados no Museum of Modern Art, Nova York; Palais de Tokyo, Paris, Witte de With, Rotterdam; ICA, Londres, Kunsthalle Fridericianum, Kassel, dentre outros.

Menu