Vistas da exposição
1 de 16
Obras
Slideshow
">
1 de 31
Thumbnails
" data-id="1957" data-src="http://mendeswood.com/content/works/work-2019-10-31-15-27-46-301000.jpg">
Texto

29/10/2019 – 20/12/2019


A Mendes Wood DM tem o prazer de apresentar a primeira exposição individual de Paulo Monteiro em Nova York, reunindo um novo conjunto de pinturas e esculturas.

Monteiro dá prosseguimento à sua reconciliação contínua entre a duplicidade da pintura e da escultura, construindo uma narrativa entre elas. Sempre explorando as margens e os limites da forma, Monteiro utiliza o espaço negativo como suporte, fazendo, assim, com que suas pinturas se pareçam com esculturas e suas esculturas se pareçam com pinturas. Sua paleta de cores oscila entre tons predominantemente frios e quentes, azuis escuros e uma variedade de vermelhos que ao mesmo tempo criam uma profundidade cruzada e um contraste quase estridente. Seus brancos e cinzas oferecem um sensação tátil semelhante a seus desenhos. 

Monteiro iniciou sua trajetória artística na década de 1980, com montagens precárias feitas com madeira reutilizada. Suas composições sugerem, ao mesmo tempo, movimento e colapso, enfatizando a expressão do material. Nos últimos dez anos, Monteiro passou a usar pedaços de corda, restos de madeira, papelão, tiras de alumínio e argila como matérias-primas de suas esculturas. As peças exibidas na galeria são, em sua origem, placas de argila que o artista deforma, disseca e aperta com as mãos até revelar seu interior animado. O mesmo processo conceitual de desdobramento é empregado em sua técnica de pintura, com inversões e construções operando a partir do centro da tela. A tinta é empurrada para as bordas do plano, criando contundentes fronteiras físicas. É comum vermos duas pinturas que apesar de feitas com as mesmas pinceladas, são diferentes, dependendo da cor, forma ou tamanho da tela, que o artista sempre varia.

Embora uma fisicalidade maleável permeie suas obras, uma das grandes preocupações de Monteiro ao longo de sua carreira tem sido a exploração da possibilidade da linha, algo que se manifesta por meio de pinceladas em seus trabalhos no papel, relevos nas pinturas e cortes nas esculturas. Suas linhas nunca são completamente retas, nem seguem qualquer tipo de lógica. Seguindo a ideia deleuziana, elas “puxam nos dois sentidos ao mesmo tempo” (DELEUZE, Gilles. A lógica do sentido, 1969), coexistindo em um lugar entre a afirmação e a negação do espaço.

Essa plasticidade radical em relação ao espectador levou Monteiro às suas “constelações” —configurações de suas pinturas e esculturas —, que lidam com a fisicalidade do objeto em relação ao artista e ao espectador, de modo muito similar a um dos Objetos Ativos, de Willys de Castro. É por meio do posicionamento cuidadoso do espaço negativo que essas “constelações” ganham forma. Isso também é alcançado com suas esculturas feitas com a impressão negativa de sua mão e dedos moldados em argila, que são depois fundidos em bronze ou chumbo. Seu tema aqui é a vida e o desenho interior dos objetos. De acordo com o artista, seu propósito é “trazer vida para algo sem vida”.


Paulo Monteiro (1961, São Paulo, Brasil) vive e trabalha em São Paulo.

Monteiro começou a trabalhar como artista em 1977, desenhando quadrinhos sob a influência de grandes cartunistas, como Robert Crumb, George McManus e o renomado cartunista brasileiro Luiz Sá. Entre 1983 e 1985, Monteiro fez parte do grupo Casa 7, ao lado de Carlito Carvalhosa, Fábio Miguez, Nuno Ramos e Rodrigo Andrade. Juntos, esses artistas participaram de exposições no MAC-SP, no MAM-RJ e na 18a Bienal de São Paulo, em 1985, trazendo o neoexpressionismo para a dianteira do cenário artístico paulistano. No final da década de 1980 e no início dos anos 2000, Monteiro mergulhou em sua prática escultural. Seu retorno à pintura, na última década, trouxe um novo grau de consciência para a sua obra.

Seus trabalhos participaram de importantes exposições, incluindo, entre outras: The Empty Side, Zeno X, Antuérpia (2018); Coleção MAC Niterói: arte contemporânea no Brasil, MAC Niterói, Rio de Janeiro (2017); The Outside of Distance, MISAKO & ROSEN e Tomio Koyama Gallery, Tóquio (2017); Building Material: Process And Form In Brazilian Art, Hauser & Wirth, Los Angeles (2017); The inside of distance, Office Baroque, Bruxelas (2016); O interior da distância, Mendes Wood DM, São Paulo (2015); Casa 7, Pivô, São Paulo (2015); Empty House Casa Vazia, Luhring Augustine, Nova York (2015); Paintings on Paper, David Zwirner, Nova York (2014); Where Were You, Lisson Gallery, London (2014); 22a Bienal de São Paulo (1994) e 18a Bienal de São Paulo (1985).

Suas obras fazem parte de inúmeras coleções permanentes, incluindo as do MoMA, do MAM-SP, da Pinacoteca do Estado de São Paulo, do MAC-SP, do MAM-RJ e do MAC-Niterói.

Menu